Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

[Usiminas investe em construção civil]

 

Usiminas investe em construção civil e vai criar companhia mineradora

 

 

O plano da Usiminas de diversificar seus negócios começa a ganhar corpo. Marco Antonio Castello Branco, presidente da siderúrgica, anunciou que fechou negócio com os grupos mineiros Codepar e Isa Participações para obter 30% de participação do capital das empresas de construção civil Codeme Engenharia e Metform, controladas por eles. O valor de compra foi de R$ 129,6 milhões e faz parte da estratégia da siderúrgica de entrar no lucrativo mercado da construção, que está aquecido devido à demanda reprimida no país e ao programa habitacional do governo Minha Casa, Minha Vida.

As empresas têm sede em Betim (MG) e filiais em Taubaté (SP). Castello Branco aposta que o setor vai usar mais estruturas metálicas nas edificações e sair da um pouco da concentração em cimento e concreto. "Estamos apostando muito no mercado interno", disse.

A Usiminas prevê investir R$ 5,6 bilhões no biênio 2010/2011, valor que supera a soma aplicada nos dez anos anteriores. Grande parte é para diversificar sua atuação. Em entrevista no início do ano ao jornal O TEMPO, Castello Branco antecipou que o plano da empresa é que 50% das vendas sejam de produtos de valor agregado, reduzindo o foco na venda de aço bruto. Hoje, apenas 22% dos negócios são de produtos elaborados. Só para pesquisa e inovação, para realizar o plano, vai investir R$ 28,9 milhões neste ano.

Além do mercado imobiliário, a Usiminas também aposta na matriz energética: desenvolve planos para abastecer o mercado interno de torres eólicas e vários componentes e bens de capital para a indústria do petróleo. "O pré-sal abre grandes oportunidades no Brasil", completa Castello Branco.

A siderúrgica também vai competir no concentrado mercado da mineração. Busca parceiro estratégico para formatar empresa para explorar minério de ferro na região de Serra Azul, onde em 2008 adquiriu por mais de R$ 1 bilhão uma gigantesca jazida. "Estamos conversando com vários possíveis parceiros, mas ainda não podemos divulgar nada", avisa Castello Branco. A Usiminas será a majoritária com 51% do capital, destinando 20% ao parceiro e com previsão de abrir capital no mercado de ações.

Empresa vai desenvolver aço para as Forças Armadas
Entre os projetos da Usiminas em desenvolver produtos de maior valor agregado está a fabricação de aço blindado para atender demanda das Forças Armadas. Segundo o presidente da companhia, Marco Antonio Castello Branco, a empresa já desenvolve pesquisas para suprir a necessidade nacional.

"Hoje, o Brasil importa o aço blindado de outros países, o que é um problema, pois como é para utilização bélica, é preciso autorização especial do governo de país importador. Com o novo produto, a Usiminas vai dar autonomia às Forças Armadas brasileiras", disse.

Outros investimentos
A empresa informa que a coqueria construída em Ipatinga entrará em operação já em março e que no terceiro trimestre inaugura a expansão de estrutura para fabricação de chapas grossas. A nova linha de galvanização fica pronta no ano que vem. O projeto de construir uma usina em Santana do Paraíso, próximo a Ipatinga, entra na pauta de estudos no meio do ano.


voltar